De malas prontas: Melhores dicas do Laos

Oi pessoal,

Hoje começo a série de posts sobre a surpresa mais agradável do Sudeste Asiático, o Laos. Embarcamos para aquele cantinho do oriente em janeiro desse ano, considerado o melhor mês para visitar esses países por conta das condições climáticas favoráveis: dias de sol sem muito calor. Depois de conhecermos a Tailândia, passamos cinco dias em Luang Prabang, cidade localizada em uma região montanhosa bem ao centro do Laos, entre os rios Mekong e Nam Khan. Começamos nos surpreendendo pelo clima de lá. De manhã cedo e à noite faz frio. Chegamos a pegar 12 graus! A partir das 11 horas a temperatura começa a esquentar, chegando à máxima de 26 graus por volta das 13 horas.

Declarada patrimônio mundial pela Unesco em 1995, Luang Prabang é considerada a mais bem preservada cidade do Sudeste Asiático. Lá impera o clima de férias, a calmaria, a paz e energia boa. Suas ruas são repletas de monastérios e templos budistas, em uma combinação harmoniosa do estilo arquitetônico típico do Laos com estruturas urbanas dos séculos XIX e XX, que emergiram da colonização francesa. É muito louco sentir uma atmosfesra tão agradável em um país que lidera as estatísticas do maior número de bombardeios per capita da história. É admirável sentir a doçura desse povo, ainda que tenha marcado em sua história os dias sangrentos da Guerra Civil do Laos, há cerca de 60 anos atrás. Quase não se vê idosos por lá…

Rio Mekong

Rio Mekong

Com as belas lembranças que mentalizei e registrei, listo hoje os maiores encantos de Luang Prabang e na sequência vou detalhar cada experiência em um post diferente.

Como chegar

Para chegar a Luang Prabang, saimos de Bangkok em um vôo de uma hora e meia da Lao Airlines. Existe também um barco que sai de Chiang Mai e percorre o Rio Mekong durante dois dias. Brasileiros precisam de visto para entrar no país. Ao chegar ao aeroporto, além do pagamento da taxa de cerca de US$ 30,00 será necessário apresentar original e cópia colorida do passaporte e uma foto 3×4 ou 5×7.

Conversão

A moeda laosiana chama-se Kip e é extremamente desvalorizada. Entretanto é bem utilizada no turismo. Um dólar americano equivale a aproximadamente 7.500 kips. Nós trocávamos o dinheiro em cabines de câmbio na rua com tranquilidade.

Ronda das Almas

Laos - Ronda das Almas 2

Todos os dias ao amanhecer centenas de monges e noviços percorrem as ruas de Luang Prabang para receber oferendas e comida da população local, numa cerimônia silenciosa conhecida como “the monks alms collection“. O laranja das túnicas começam a colorir o dia quando o sol ainda está tímido. A participação nesse ritual deve ser muito respeitosa. É permitido fotografar sem flash e de forma discreta, à distância.

De bike pela cidade

Laos - Bamboo Brigde

Para conhecer toda a Luang Prabang em um dia basta alugar uma bike por US$ 5. Nós baixamos o mapa da cidade para o celular e usamos o aplicativo “city maps to go” para guiar o nosso percurso. Seguem algumas sugestões que merecem a passagem seja para uma pausa do pedal ou para voltar outro dia: a ponte artesanal feita de bambu, o bar Utopia para relaxar ou meditar em seus futons ou fazer uma aula de ioga no deck,  uma massagem maravilhosa e barata nas tantas opções espalhadas pela cidade, a loja de seda pura Lao Textile Natural Dyes, uma Beerlao com peixe frito ou grelhado nos bares da beira do rio… E o que mais der vontade!

Laos - Beerlao

Um dia com elefantes

Fizemos dois passeios com a Tiger Trail Outdoor Adventure. O primeiro foi andar no lombo de um elefante pela área do Elephant Village. Passeamos com o nosso elefante de 45 anos pela mata e pelo rio Nam Khan em um percurso de cerca de 40 minutos, que terminou com um banho. Foi muito divertido, mas senti um pouco de pena. Mesmo sabendo que o Elephant Village é um órgão protetor dos elefantes, muito sério, com uma preocupação ambiental e social, me deu peninha imaginar que esses animais que vivem o mesmo tempo que os homens passam boa parte da vida fazendo esse mesmo percurso tantas vezes com turistas.

Laos - Elephant Village

A segunda parte do programa foi uma trilha deliciosa de cerca de 1 hora até a Tad Sae Falls, uma série de quedas d’água e piscinas naturais com uma cor que é inacreditável. Para tornar o momento ainda mais especial, tive uma das experiências mais emocionantes da viagem e da minha vida: um banho na cachoeira com um elefante de 11 anos durante uns 20 minutos. Aquele elefantinho parecia bem contente com o trabalho dele.

Laos - Tad Xae Falls

Laos - Banho com o elefante em Tad Xae Falls

Visita aos templos

Por ter sido a capital do antigo reino do Laos, Luang Prabang possui uma boa coleção de templos. Dentre tantos, destacam-se o Wat Visoun – o mais antigo templo da cidade, construído em 1515 com base na arquitetura Sri Lanka, serve como residência para os monges; o Wat That Luang – uma enorme estupa dourada construída em 1566, considerada o mais importante monumento nacional do Laos; That Mak Mo – conserva um museu com diversas esculturas originais de Buda do século XIV a XIX; Wat Xieng Thong – o mais belo templo do Laos, de 1560, com fachadas douradas, telhado triplo representando a árvore da vida, todo decorado com figuras e símbolos em folhas de ouro; e o Monte Phousi – o templo mais alto da cidade, uma excelente opção para contemplar a vista e curtir o pôr do sol. Nesses dias, não se esqueça de usar roupas respeitosas, com as pernas e os ombros cobertos.

That Mak Mo

That Mak Mo

Wat Xieng Thong

Wat Xieng Thong

Decoração na parede de Wat Xieng Thong

Decoração na parede de Wat Xieng Thong

Esculturas de Buddha na subida ao Monte Phousi

Esculturas de Buda na subida ao Monte Phousi

Pôr do Sol visto ao longo da subida ao Monte Phousi

Pôr do Sol visto ao longo da subida ao Monte Phousi

Passeio de barco até a Caverna de Pak Ou

O passeio em um barco tradicional por duas horas pelo Rio Mekong já vale a viagem. Depois de 25 km chegamos à incrível Caverna dos 4 mil Budas, adornada por milhares de esculturas de Budas, recebidas da população local desde o século XVI, quando foi declarada pelo Rei Setthathirat como um local sagrado. Anualmente, é realizada uma cerimônia religiosa quando a caverna aumenta sua coleção.

Laos - Cave

Laos - esculturas na caverna

Após a visita à caverna, fomos conhecer o vilarejo muito humide de Ban Xanghai, onde a comunidade vive em palafitas, por conta da intensa variação do nível do rio ao longo das estações do ano. Lá compramos alguns produtos locais artesanais, como um lenço de seda crua, um quadro pequeno e uma garrafinha de Lao Lao, vinho de arroz, mais conhecido como cachaça!

Laos - canoa

Laos - comunidade ribeirinha

Laos - crianças na canoa

Para comer, beber, comprar e ver filme!

São muitas opções deliciosas: comida de rua no Food MarketLao Barbecue Soup – você mesmo prepara a sua comida numa panela que grelha a carne no centro e cozinha os demais ingredientes na borda; o bistrô francês Le Tangor para matar a saudade da comida ocidental com um bom vinho; o Night Market para muitas comprinhas de artesanato e muita pechincha; excelente comida local em um jantar romântico ao ar livre à beira do rio com voz e violão no Burasari Heritage; e a melhor surpresa de Luang Prabang: o bistrô e livraria L’étranger, comandado com muito carinho por mãe e filha canadenses, serve comidas ocidentais deliciosas, sopinha de cebola, o melhor chá de gengibre com mel e limão e outras gostosuras. De quebra ainda transmite diariamente no segundo andar os últimos lançamentos de Hollywood, em filmes fornecidos pela filha que divide a vida entre a calmaria de Luang Prabang e o agito de Los Angeles. Assistimos ao filme Her, quando ele nem havia sido lançado no Brasil.

Laos - L'étranger Books & Tea  Laos - barzinhos e night market

Laos - Le Tangor

Laos - Lao Barbecue Soup

Laos - Lao Barbecue Soup 2

As Árvores da Vida

A natureza da Luang Prabang é encantadora, e assim como as pessoas de lá, também respira o budismo. Diversas vezes nos deparamos com lindas e enormes árvores decoradas por fitas. Essas são conhecidas como a Árvore da Vida e representam o local onde Buda atingiu o Nirvana, após ter passado por todos os estágio da meditação, compreendendo a natureza real do sofrimento e alcançando a iluminação.

Laos - Árvore da vida

E os dias em Luang Prabang foram bem por aí, inesquecíveis…

Beijos e até,

Paula

Deixe uma resposta

  1. Pingback: De malas prontas: Utopia - para comer, beber e relaxar (Laos)

  2. Pingback: De malas prontas: um dia com elefantes no Laos

  3. Pingback: De malas prontas: L'etranger e Kopnoi - Arte no Laos