De malas prontas: Floripa – Parte 1

Olá pessoal,

Aqui estou mais uma vez para estrear a seção “De malas prontas”, que passará a registrar aqui no blog os melhores roteiros realizados por nós, pelo Rio, pelo Brasil e pelo mundo afora. Minha viagem inaugural de 2012 foi para Florianópolis, na entre safra do Reveillón e Carnaval, para aproveitar bem a Ilha de Santa Catarina sem o tumulto da alta temporada. Como tem muitas coisas legais para contar e mostrar, dividiremos o post em 3 partes que serão publicadas ao longo da semana.

Foram seis dias, todos ensolarados (obrigada São Pedro), para curtir praias diferentes e o melhor da gastronomia, em todos os estilos. Eu e o outro Pedro (meu marido) ficamos hospedados na casa de um casal de amigos, no Parque São Jorge, que também estavam de férias e foram guias turísticos da maior qualidade.

Nossa agenda era bem diurna, por isso dispensamos as noitadas. E o roteiro privilegiava uma praia por dia ao invés de ficar na correria em busca das 43 possibilidades que Floripa oferece. O balanço da viagem foi perfeito, com direito a soneca pós-praia todos os dias.

Ponte Hercílio Luz

A praia do Surf e do kite

No leste de Floripa, nossa primeira parada foi a Praia Mole, uma das mais procuradas pelos surfistas manezinhos (como os moradores da Ilha são chamados). A origem do nome Mole deve-se à areia bem solta e macia. A Mole é uma praia com infra e oferece serviço de comes e bebes na areia, duchas de água doce, bares, restaurantes e casas noturnas. O cenário é decorado pelo colorido das pipas do kite surf no céu. O único ponto de atenção é que as crianças não costumam se dar muito bem com as ondas fortes, valas e muitos buracos na entrada do mar.

Praia Mole

Praia Mole

Praia Selvagem

A segunda praia do Leste foi Moçambique, localizada no Parque Florestal do Rio Vermelho. É a maior praia da ilha, sem ocupação urbana, totalmente selvagem e sossegada. Seu nome vem do molusco, semelhante à ostra, facilmente encontrado por lá. Moçambique requer levar uma infra, como guarda-sol, cadeiras, bebidas e lanchinhos. Caso contrário, não será possível relaxar e matar a sede e a fome do pós-surf. Altas ondas por lá! É imprescindível levar um saquinho para recolher seu lixo na hora de partir.

Fotos: Moçambique 1 e 2

Moçambique

Moçambique

 Não se esqueçam que ao longo da semana publicaremos as outras partes do post.

Por Paula Seára Arraes

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

  1. Pingback: De malas prontas: Floripa - Parte 3 - DO QUE EU PRECISO

  2. Pingback: De malas prontas: Floripa – Parte 2 - DO QUE EU PRECISO

  3. Pingback: De malas prontas: Floripa – Parte 2 - DO QUE EU PRECISO