Postagens Etiquetadas ‘Visconde de Mauá’

De malas prontas: Visconde de Mauá (RJ) – Parte 3/3

Oi pessoal,

Hoje encerro a série de dicas sobre Mauá, dividindo boas surpresas da gastronomia de Mauá, com destaque para a Vila de Maringá. Além do japonês da Pousada Warabi, que já apresentamos aqui, dois restaurantes merecem destaque e valem a visita: O Rosmarinus e o Saveur de Vanille.

Antes de contar sobre as duas experiências, tenho também algumas dicas para os apreciadores de cerveja. Mauá possui uma cerveja artesanal chamada Serra Gelada e ela pode ser encontrada por lá facilmente. O chopp artesanal “Dona Mathilde”, produzido em Itatiba – SP, é o ponto forte do Bar Pingo de Mel, quiosque localizado ao lado da Pousada Warabi.

Quem estiver com apetite para uma degustação de cervejas, vale conhecer o Bar Bier Garten, no lado mineiro da Vila de Maringá, anexo ao restaurante Champignon. O bar possui mais de 90 rótulos de cervejas nacionais e importadas e um cardápio com diversas opções de comida e petiscos alemães. Nós experimentamos o mix de salsichas com cesta de pães e quatro molhos. Não achei nada demais. Bom mesmo foi tomar umas cervejinhas mais encorpadas. A escolha foi pela Coruja, cerveja artesanal fabricada em Teutônia (RS).

Bar de cervejas Bier Garten

Bar Bier Garten

Decoração do bar

Decoração do bar

Cerveja Coruja Viva

Cerveja Coruja Viva

Mix de salsichas

Mix de salsichas

Os molhos de acompanhamento

Os molhos de acompanhamento

Agora vamos aos restaurantes. O Rosmarinus foi a melhor refeição de toda a viagem. O restaurante funciona há 12 anos em um casarão com estilo rústico, localizado na Estrada Mauá-Maringá. Com uma gestão ambientalmente responsável, além dos cuidados com resíduos, a cozinha do Rosmarinus, comandada pelos chefs Diego Santos e Julio Buschinelli, valoriza os produtores locais através da compra de frutas, verduras, ovos e queijos. Os temperos e ervas utilizados são plantados na própria horta.

Placa de entrada Restaurante Rosmarinus

Placa de entrada Restaurante Rosmarinus

Nosso jantar teve início com o couvert, que definitivamente não pode ser dispensado, e normalmente inclui creme de legumes do dia, grissinis, focaccia de alecrim, pão rústico, manteiga, batatas calabresas rústicas, berinjela e tomates grelhados, azeitonas temperadas e alho confit. Se os pratos principais não fossem tão deliciosos, dava para ficar só no vinho, repetindo o couvert. Fantástico!

Couvert com pães rústicos, legumes grelhados e alhos confit

Couvert com pães rústicos, legumes grelhados e alho confit

As massas são feitas de forma artesanal na própria casa, com ovos caipiras e farinha de grano duro italiano. Queria pedir um prato típico da região, então optei pelo Raviolini de Brie ao pesto de pinhão e rúcula selvagem (vencedor do Concurso de Pinhão – 2012). Levíssimo e cheio de sabor!

Raviolini de Brie ao Pesto de Pinhão e Rúcula Selavagem

Raviolini de Brie ao Pesto de Pinhão e Rúcula Selavagem

O prato do Pedro foi a Truta à Visconde de Mauá, que consiste em um filé de truta salmonada, empanada com aveia e ervas sobre molho de azedinha e capim limão, purê de batatas e queijo de cabra. Também delicioso…

Truta à Visconde de Mauá

Truta à Visconde de Mauá

A sobremesa escolhida foi o merengue italiano com frutas vermelhas. Incrível!!!

Merengue italiano com frutas vermelhas

Merengue italiano com frutas vermelhas

Outro local que merece destaque é o Saveur de Vanille, também conhecido como Bistrô das Meninas, numa referência a suas proprietárias, Noemi Del Passo e Renata Nesti. Localizado no lado mineiro de Maringá, o local foi inaugurado em 2003 com a proposta de ser ao mesmo tempo uma boulangerie, um café, uma pâtisserie e um bistrô. E ainda conta com uma charmosa livraria. Todos os produtos são de fabricação própria. A casa também fornece as famosas baguetes e croissants a alguns dos melhores restaurantes e pousadas de Mauá.

A placa de entrada do bistrô

A placa de entrada do bistrô

O ambiente é muito aconchegante, com clima parisiense, que é percebido até no cardápio escrito a mão. Já que fomos para jantar e não estávamos com apetite suficiente para experimentar os famosos pães artesanais de entrada, fiz questão de optar por um prato que tivesse um toque da boulangerie. Então,  escolhi o filet de truta na massa folhada com mix de folhas verdes e molho de cogumelos shimeji. Sensacional!!! O peixe estava perfeito e a massa folhada, levíssima, manteve a crocância até o término do prato. Achei fofo o formato de truta que fizeram com a massa (reparem na foto). Palmas para o molho de cogumelos, com um sabor delicioso, que fez a diferença. De alguma forma me fez lembrar o molho do Le Relais de l’Entrecôte em Paris.

Truta na massa folhada com mix de salada verde e molho de cogumelos shitaki

Truta na massa folhada com mix de folhas verdes e molho de cogumelos shimeji

Suco natural de amoras

Suco natural de amoras

Abrimos mão do vinho para experimentar o suco natural de amoras. A troca valeu a pena. O suco estava muito gostoso. Como esse prato é muito bem servido e o suco é bem consistente, tivemos que dispensar a sobremesa. Então, encerramos à noite fria de verão em Mauá com um chá twinings de camomila, mel e baunilha. E já estávamos pronto para mais uma noite de sono. =)

Encerro aqui a série de dicas sobre Mauá. Espero que tenham curtido!!

Rosmarinus

Estrada Mauá-Maringá (Km 4,5)

e-mail para reserva: contato@rosmarinus.com.br

Tel: (24) 3387-1550

Saveur de Vanille

Vila de Maringá (MG)

e-mail: bistrodasmeninas@uol.com.br

Tel: (24) 3387.1461

Paula

Paula nova

Related posts:

De malas prontas: Visconde de Mauá (RJ) – Parte 2/3

Oi pessoal,

No segundo post da série com dicas sobre Mauá, vou contar sobre o passeio que fizemos para as cachoeiras do Alcantilado. Nós já conhecíamos as cachoeiras da Maromba da nossa última viagem, então queríamos fazer um programa novo e mais afastado, com a ideia de que estaria menos movimentado.

Cachoeira do Alcantilado

Cachoeira do Alcantilado

As cachoeiras do Alcantilado são uma sequência de nove quedas, tendo a última 50 metros. Elas estão localizadas a 5 Km da estrada Mauá–Maringá em um sítio no Vale do Alcantilado. Por ser uma propriedade particular, na entrada é cobrada uma pequena taxa de preservação e manutenção, que inclui o estacionamento.

O passeio por todas as cachoeiras consiste em 3 km (ida e volta), passando por algumas trilhas de intensidade leve à moderada. A caminhada dura entre 1 a 2 horas com paradas para curtir as cachoeiras. Algumas delas formam piscinas naturais permitindo o mergulho e as quedas d’água fazem uma massagem intensa. O passeio é revigorante…

Uma das primeiras cachoeiras do passeio

O passeio começa com leves quedas d’água

Muito verde e ar puro

Muito verde e ar puro

Mais uma cachoeira no caminho

Mais uma cachoeira no caminho

A ponte que dá início à subida até a Cachoeira do Alcantilado

A ponte que dá início à subida até a Cachoeira do Alcantilado

Lá está ela

Lá está ela

50 metros de queda

Quase embaixo dos 50 metros de queda

Um outro ângulo da Cachoeira do Alcantilado

Um outro ângulo da Cachoeira do Alcantilado

Ao final do passeio, vale uma parada na pastelaria, que fica logo após a entrada do sítio. Os pastéis de lá são aqueles grandes, no estilo “pastel de vento” só que com bastante recheio e muito saborosos. A variedade é boa. Pena que naquele dia já tinha acabado o de pinhão (semente do Pinheiro Brasileiro, árvore típica da região). Então, fui no clássico sabor de queijo. Também vale experimentar o suco natural de framboesa. Eu pedi batido com suco de laranja. Para acalmar a espera pelo pastel, a dupla cerveja + cachaça artesanal com mel desce redondo!

Cervejinha com cachaça

Cervejinha com cachaça

Suco de framboesa com laranja e pastel de queijo

Suco de framboesa com laranja e pastel de queijo

Esse não foi o único passeio a cachoeiras que fizemos. Aproveitamos a quarta-feira de cinzas, quando a maioria das pessoas já estava deixando Mauá, para fazer uma caminhada da nossa pousada até a Cachoeira do Escorrega, localizada 3 km acima da Vila da Maromba. Não fomos com o propósito de ficar nas cachoeiras da Maromba, apesar do Pedro ter se aventurado no Escorrega. As condições não eram muito favoráveis. Por conta das chuvas fortes do final de janeiro, o rio estava bem cheio e por isso, a queda da cachoeira estava bem intensa.

Cachoeira do Escorrega

Cachoeira do Escorrega

A ideia era mesmo caminhar sem rumo e foi muito gostoso. Percorremos cerca de 15 Km naquele dia e terminamos o passeio com o habitual mergulho no Rio Preto em frente ao nosso chalé.

No próximo e último post, será a vez das dicas gastronômicas de Mauá! Aguardem… :p

Paula

Paula nova

Related posts:

De malas prontas: Visconde de Mauá (RJ) – Parte 1/3

Oi pessoal,

Hoje vou começar uma série de três posts sobre Visconde de Mauá (RJ), com dicas de hospedagem, passeios e gastronomia, nessa ordem. Pedro e eu optamos por relaxar no Carnaval de 2013 em um lugar calmo e bem próximo da natureza.

Rio Preto, Visconde de Mauá - divisa natural entre RJ e MG

Rio Preto, Visconde de Mauá – divisa natural entre RJ e MG

Restava um pouco de dúvidas sobre a calmaria de Mauá em pleno Carnaval, já que já estivemos lá há uns 5 anos nesse mesmo período e achamos tudo bem cheio. O primeiro passo foi escolher dentre as três vilas Visconde de Mauá, Maringá e Maromba, a que nos proporcionasse mais sossego e liberdade para caminhar. Depender do carro em Mauá, na única estrada de terra que conecta as três vilas, não é recomendável. É evidente que para um passeio a cachoeiras distantes e um jantar num restaurante mais afastado, não escapamos dele. Mas a ideia é evitar. A boa notícia é que, assim como agora é fácil chegar à Mauá porque a estrada foi toda asfaltada, nesse ano, o asfalto seguirá até a Vila de Maringá. Ainda assim, a conexão entre as vilas é por meio de uma mão única, então em altas temporadas pode haver congestionamento e dificuldades para estacionar.

Nossa opção de hospedagem foi em Maringá, que é conhecida pela boa gastronomia e pela atividade noturna, ao contrário de Maromba, que por concentrar as cachoeiras mais famosas, é mais movimentada à luz do dia. Para garantir a tranquilidade optamos por uma pousada com infraestrutura bacana, de maneira que, se não quiséssemos sair dali, não faltariam opções de lazer. Foi então que reservamos a Pousada Warabi, por indicação de amigos. A localização é perfeita, porque ela é afastada do centro de Maringá, o suficiente para ser mais reservada e também para chegar até lá caminhando por cerca de vinte minutos. Para a nossa surpresa, achamos a Vila de Maringá bem sossegada. À noite, quando saíamos para jantar, mal cruzávamos com pessoas no caminho entre a nossa pousada e o centro. A região de Mauá, de forma geral, estava bem tranquila.

Entrada da Pousada Warabi

Entrada da Pousada Warabi

Piscina da Pousada Warabi

Piscina na área comum da pousada

A Warabi é uma pousada japonesa, com decoração temática, administrada pelo casal Sérgio e Edna. A pousada conta com um restaurante japonês e a cozinha funciona sob comando da própria Edna, de origem japonesa. Experimentamos e super aprovamos o japinha em um jantar e em alguns lanches que fizemos.

Combinado de sashimi no jantar

Combinado de sashimi no jantar

Tamaki de atum

Lanche da tarde com tamaki de atum

Hot filadélfia no lanche da tarde

Hot filadélfia no lanche da tarde

A diária da pousada inclui café da manhã colonial ou japonês. Nós optamos sempre pelo colonial, delicioso. Passávamos quase uma hora saboreando a seleção de pratos e bebidas frescas, que variava a cada dia, e levava muito tempo até sentirmos fome novamente.

Restaurante da pousada com áreas interna e externa

Restaurante da pousada com áreas interna e externa

Frutas do dia no Café Colonial

Frutas do dia no Café Colonial

Wrap de muçarela, tomate e orégano

Wrap de muçarela, peito de peru, tomate e orégano

Cestinha de pães do dia, acompanhada de frios, manteiga e geleia.

Cestinha de pães do dia, acompanhada de frios, manteiga e geleia

Tomate recheado. Fantástico!

Tomate recheado. Fantástico!

Bolinho de laranja

Bolinho de laranja

Café no bule

Café no bule

Dentre os sete chalés disponíveis, optamos pelo Take Spa, um dos mais reservados e mais próximos do Rio Preto. Esse rio é a divisa natural entre os estados do Rio de Janeiro e de Minas Gerais. De dentro da pousada se escuta o barulho do rio e é possível relaxar e mergulhar, usando as pedras como apoio. O sol marca presença constante por ali, preparando o corpo para a água super gelada. Em quase todos os dias da nossa viagem, o rio estava muito convidativo. Como o acesso que permitia entrar no rio é bem em frente ao chalé Take Spa, diria que esse é mais um privilégio que pudemos desfrutar, além do ofurô e da sauna privativa. Ao longo da noite, mesmo no auge do verão, a temperatura cai consideravelmente, a ponto de usar casaco. Por esse motivo, a lareira foi usada todos os dias para esquentar o sono.

Chalé Take Spa

Chalé Take Spa

Quarto do chalé com lareira e vista para o Rio Preto

Quarto do chalé com lareira e vista para o Rio Preto

Área da sauna e ofurô

Área da sauna e ofurô

Curtindo o sol e a água fresca no Rio Preto

Curtindo o sol e a água fresca no Rio Preto

Mergulho no Rio Preto

Mergulho no Rio Preto

Pousada Warabi

Vila de Maringá – Visconde de Mauá (RJ)

Tel: (24) 3387-1143 / (24) 9257-5045

e-mail: warabi@bol.com.br

Paula

Paula nova

Related posts:

Para cima

Contato

blogdoqueeupreciso@bol.com.br
 
Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.
%d blogueiros gostam disto: