De malas prontas: Jardim Japonês e El Ateneo – Buenos Aires

Olá pessoal!

Hoje gostaria de dar mais algumas dicas de passeio em Buenos Aires, na Argentina.

No nosso quarto dia na cidade decidimos conhecer o famoso Jardim Japonês, localizado na Recoleta. Apesar de pequenino, o lugar é uma graça e super bem mantido.  Pagamos $16 pesos de entrada por pessoa e o jardim abre todos os dias de 10 às 18h. Como estávamos em Palermo, que é próximo, pegamos um táxi até o local, após tomar café da manhã no querido Nucha. Dentro do jardim há um restaurante japonês, para quem quiser aproveitar a visita e já ficar para o almoço.

_DSC1789 cópia

_DSC1794 cópia

_DSC1805 cópia

Demos uma volta pelo local, tiramos algumas fotos e decidimos ir para a nossa próxima parada. No caminho passamos pelo Museu Evita que, sinceramente, acho que só vale a pena para quem realmente curte história ou admira muito a Eva Perón. O museu fica na Rua Lafinur, 2988.

Pegamos o metrô, descemos na estação Callao e caminhamos até a livraria El Ateneo, considerada uma das mais bonitas do mundo. A livraria, desde 2000, está localizada no antigo Teatro Grand Splendid, construído em 1919 e é realmente muito bonita e muito bem conservada. O palco hoje abriga um café, onde paramos rapidamente para descansar e tomar um café e uma água.

_DSC1843 cópia

E aí, curtiram as dicas de hoje?

Jardin Japonés

Entre Av. Figueroa Alcorta e Av. Casares

Diariamente de 10 as 18h

www.jardinjapones.org.ar

Livraria El Ateneo

Av. Santa Fe, 1860

Seg a qui e dom de 10 às 22h, sex e sáb de 9 a 00h

www.elateneocentenario.com

Maysa

Perfil_Maysa

Gastronomia: O moderno Mott – Buenos Aires

Olá pessoal!

Fiquei muito em dúvida se escreveria este post sobre o Mott ou não e vou explicar por quê. A primeira vez que fui ao restaurante em Buenos Aires não estava com tanta fome por conta da comilança ao longo do dia e acabamos ficando só nas entradas, que estavam deliciosas. Devido a ótima primeira experiência, decidimos voltar outro dia para jantar mesmo. Foi aí que tivemos uma péssima experiência que nos fez arrepender até o último fio de cabelo por ter voltado lá. Ficamos sabendo que um dos funcionários da cozinha estava querendo ser demitido, o que pode ter sido o motivo deste infortúnio (pois é, talvez o cara estivesse sabotando os pratos pra que os clientes reclamassem e ele fosse mandado embora). Se foi esse o caso, eu não sei. Deixo aqui os meus relatos de ambas experiências.

O ambiente é muito agradável, possuindo um lounge e umas mesinhas altas logo na entrada. No piso mais elevado estão as tradicionais mesas de jantar. Desta vez ficamos nas mesinhas altas da entrada, que são agradavelmente iluminadas com velas, assim como todo o restaurante no período noturno.

_DSC1746 cópia

Após dar aquela floreada no menu, decidimos pedir a “Desgustación de entradas” com um mix das 5 opções disponíveis, que são:

Carpaccio de cordero, alcaparras, pesto genovés, brotes y escamas de sbrinz de la provincia de Buenos Aires;

Picada Tandilera de salame y queso con escabeches de estación, lonjas de pan y olivas de Mendoza;

Brusquetta en pan de brioche, ragout de hongos de la costa atlántica y huevo poche a baja temperatura;

Camembert dorado, berros frescos condimentados con aceite de Quebracho y pimentón de los valles calchaquíes;

Langostinos salteados en provenzal ruculas frescas con cítricos a vivo y sal rosada del Himalaya.

_DSC1759 cópia

Degustación de entradas

_DSC1760 cópia

Camembert dorado

Todos estavam gostosos, mas para o meu gosto pessoal a brusquetta e o camembert estavam um pouquinho fortes. Mas ficamos impressionados com as combinações e os sabores marcantes de tudo que provamos ali. Desta primeira vez gastamos $262 pesos, preço bem salgadinho…

Na segunda vez decidimos que iríamos pedir pratos principais. Enquanto escolhíamos, recebemos o couvert com apetitosos pãezinhos e uma pastinha.

_DSC1936 cópia

Como comentei no início do post, esta segunda experiência foi tão horrível que eu nem anotei os nomes dos pratos. Eu pedi um peixe branco com uma massa verde e tudo estava absolutamente sem gosto, o macarrão estava meio grudado, enfim… Absurdamente mal-feito. Fiquei horrorizada, infelizmente. Meu namorado pediu um hambúrguer que era uma mistura de alguns tipos de carne e que vinha com alguns acompanhamentos. Mais saboroso que o meu, porém evidenciava a falta de cuidado no preparo. Realmente tudo parecia puro desleixo. desta vez gastamos $254 pesos.

_DSC1938 cópia

_DSC1945 cópia

E foi assim que saímos do Mott, decepcionados…

Mott

Endereço: El Salvador 4685, Palermo
Telefone:+54 11 4833-4303

Maysa

Perfil_Maysa

Gastronomia: La Cabrera, o point dos brasileiros em Buenos Aires

Olá pessoal!

Segue mais uma dica gastronômica de Buenos Aires, o restaurante “Parrilla La Cabrera”, a versão argentina das churrascarias brasileiras.

_DSC1721 cópia

Eles possuem 2 unidades, uma quase ao lado da outra. Nós fomos da unidade do número 5127. Chegamos ao restaurante por volta de 16h pois não sabíamos o horário de funcionamento (até 16:30 para o almoço). Por sorte, como estávamos em apenas 2 pessoas, nos deixaram entrar. Também tivemos a grande sorte de conseguir sentar numa boa sem fila, nem reserva. O lugar é daqueles tradicionais, porém é extremamente turístico. Não estou exagerando ao dizer que praticamente só havia brasileiros ali. Até puxamos assunto com uma mesa ao lado.

_DSC1734 cópia

O couvert continha pão com pastinhas e estava bem gostosinho. Uma coisa que reparei de modo geral na Argentina é que os pães são mais pesados, mais “massudos”. São gostosos, mas diferentes.

_DSC1723 cópia

A carne argentina realmente é diferenciada, mais macia e suculenta, mas acho que eu ainda prefiro os cortes brasileiros, sendo a picanha minha favorita. Com os cortes argentinos, geralmente o que recebemos no prato é aquele pedação de carne alto e largo a la Fred Flintstone. Tem que ser realmente um amante da carne! Como já faz um tempinho, estou na dúvida se pedimos o ojo de bife ou o bife de chorizo. Mas acho que ficamos com a segunda opção.

_DSC1727 cópia

As opções de acompanhamentos são várias. Definitivamente não me lembro dos sabores, mas estavam bem gostosos.

_DSC1726 cópia

_DSC1725 cópia

No total gastamos $261 pesos em 2 pessoas, mas saímos de lá absurdamente satisfeitos. Comida mais do que abundante!

La Cabrera

Endereço: José Antonio Cabrera 5099 e 5127 – Palermo Soho

Tel: 4832-5754 / 4831-0325 / 4831-0079

Horários: Ter a Dom – 12:30 a 16:30 / Seg a Qui – 20:30 a 01:00 / Sex a Dom: 20:30 a 02:00

Gastronomia: Café da manhã no Mama Racha – Buenos Aires

Olá pessoal!

Segue mais um post sobre minhas experiências gastronômicas em Buenos Aires. Desta vez vou contar para vocês sobre mais um lugar para tomar café da manhã em Palermo.

Descíamos praticamente todos os dias a Rua Armenia em direção a lugares aconchegantes para tomar café da manhã ou a restaurantes para jantar. Esta é uma rua recheada de opções ali em Palermo… E o Mama Racha é um desses lugares charmosos que fica aberto o dia todo, servindo café da manhã, almoço e jantar.

_DSC1627 cópia

O ambiente do Mama Racha

_DSC1607 cópia

O ambiente do Mama Racha

O ambiente do Mama Racha

O ambiente do Mama Racha

O ambiente do Mama Racha

Até o menu de café da manhã tem seu charme… Parece um jornalzinho.

O cardápio do café da manhã

O menu de café da manhã

Fomos de café com leite, suco de laranja, medialunas, tostadas, untables (crema e geleia) e ovo mexido. Delicinha pra começar bem mais um dia de passeio.

Café da manhã no Mama Racha

Café da manhã no Mama Racha

Café da manhã no Mama Racha

Café da manhã no Mama Racha

No total gastamos $77 pesos.

E aí, gostaram dessa dica?

Mama Racha Restó & Bar

Endereço: Costa Rica 4602, Buenos Aires
Telefone:+54 11 4833-4950
Maysa
Perfil_Maysa

De malas prontas: Um passeio pela Recoleta – Buenos Aires

Olá pessoal!

Dando continuidade às dicas de Buenos Aires, agora irei contar sobre os lugares que visitamos no bairro da Recoleta. A Recoleta é o bairro mais nobre de Buenos Aires, bastante amplo e arborizado, cheio de praças lindas e bem conservadas.

_DSC1662 cópia

A arborizada e charmosa Recoleta

A primeira parada foi na Av. Pres. Figueroa Alcorta, onde pudemos avistar o belo prédio da Faculdade de Direito e Ciências Sociais e visitar um dos cartões postais de Buenos Aires: a Floralis Generica, uma flor de aço de 23 metros de altura e 18 toneladas que foi presenteada à cidade pelo arquiteto Eduardo Catalano.

Faculdade

Faculdade de Direito e Ciências Sociais

Floraris Generica

Homenagem à cidade de Buenos Aires

Floraris Generica

Floralis Generica

Depois passamos pelo Buenos Aires Design, que é um pequeno shopping com lojas de design e decoração. Achei que algumas lojas tem móveis bastante bonitos e alguns apetrechos fofos para quem quiser levar na mala. Em seguida paramos no Museo Nacional de Bellas Artes, inaugurado em 1896. Seu acervo permanente é bastante interessante e possui obras de artistas como Picasso, Goya, Rodin, Renoir, Cézanne, etc… Tivemos uma ótima surpresa pois o museu estava recebendo uma incrível exposição de quadros do Caravaggio, importante e singular pintor italiano. Suas obras costumam ser, no mínimo, perturbadoras. Um trabalho incrível!

Museu Nacional de Belas Artes

Museu Nacional de Belas Artes

Depois fomos caminhando pela Av. Del Libertador e paramos no Museo Nacional de Arte Decorativo, que fica no Palácio Errázuriz. O museu possui diversos objetos em seu acervo como mobiliário, esculturas, prataria, pinturas… Uma parada rápida e interessante. Na parte de fora do museu há o pequeno e charmoso restaurante Croque Madame. Não estávamos com fome nesse momento, então não posso emitir opiniões.

Fachada do Museo Nacional de Arte Decorativo

Fachada do Museo Nacional de Arte Decorativo

A próxima parada foi no famoso MALBA, o Museo de Arte Latinoamericano de Buenos Aires, que foi fundado em 2001 com os objetivos de colecionar, preservar, estudar e difundir a arte latino-americana, de princípios do século XX até suas manifestações atuais. O acervo permanente do museu conta com obras importantíssimas, como a pintura brasileira “Abaporu” da Tarsila do Amaral. A exposição que estava ocorrendo na época foi da artista brasileira Beatriz Milhazes, com pinturas lindas e muito coloridas.

Fachada do MALBA

Fachada do MALBA

O MALBA

O interior do MALBA

O interior do MALBA

Abaporu, da Tarsila do Amaral

Abaporu, da Tarsila do Amaral

Obra

“O impossível” de María Martins

A exposição de Beatriz Milhazes

E como sempre, o dia terminou em comida. Mas isso é assunto para um próximo post…

Maysa

Perfil_Maysa