Gastronomia: Sobrenatural em Santa Teresa

Oi pessoal,

No domingo passado fiz um programinha em Santa Teresa e aproveitei para ir ao restaurante Sobrenatural , de frutos do mar e peixes do Pará. O motivo especial era visitar a casa de festas, Recanto do Barão, na Almirante Alexandrino 3790, com um casal de amigos que vai casar lá. Um lugar especial, com uma vista privilegiada do Rio de Janeiro. O Cristo Redentor ao lado direito e o Pão de Açúcar no esquerdo. Nada mal…

Vista do Recanto do Barão

Cristo Redentor

Pão de Açúcar do Recanto do Barão

Santa Teresa tem dessas coisas: vista para os principais cartões postais cariocas, muita arte, samba e vida. E concentra uma excelente seleção gastronômica.

Chegamos ao Sobrenatural com fome e sede de cerveja. Em diversas opções, escolhemos a Serra Malte, que combinou muito bem com as entradas e o prato que pedimos em seguida. Começamos pela porção de pastéis de camarão e também não resistimos ao polvinho ao alho e óleo. O pastel estava gostoso, mas já comi outros tão bons quanto ou até melhores. Já o polvinho, muito bem feito, fez a diferença. Delicioso!

Sobrenatural

Interior do restaurante

Decoração temática

Cerveja Serra Malte

Pastéis de Camarão

Polvinho ao alho e óleo

Na ordem crescente de satisfação veio o prato principal: Coco do Surubim – surubim grelhado na base de leite de coco, acompanhado de arroz de brócolis, castanhas do Pará, banana da terra e batata barôa. Incrível esse prato! Molhadinho, muito saboroso… E vem bem servido, no melhor estilo porção para dois que comem três (pedindo também uma entrada). Juntando tudo isso ao bom atendimento e ao ambiente agradável, esse foi um belo almoço de domingo!

Coco do Surubim

E pra fechar deixo aqui alguns registros da caminhada pela Almirante Alexandrino até o carro, suficiente para ver muitas coisas lindas.

Pelas ruas de Santa Teresa

Grafite

Arte com ferro velho

Arte com ferro velho

Ponto do Bonde

Beijos e até!

Paula

Deixe uma resposta

  1. Infelizmente minha experiência no Sobrenatural não foi tão boa quanto a da Paulinha. O problema já começou com a desorganização da reserva. Fiz reserva uma semana antes para um grupo de 12 pessoas. Quando liguei para confirmar na semana seguinte, não havia registro nenhum da minha reserva. Acabaram dando um jeito, dizendo que deixariam menos espaço no salão para as pessoas que chegam ao restaurante sem reserva.
    Quando chegamos lá às 13h, conforme havíamos marcado, vimos que improvisaram uma mesa toda apertada num canto sem ventilação nenhuma, num dia completamente quente em pleno verão do Rio de Janeiro. Detalhe que o restaurante não tem ar condicionado. Passamos um calor absurdo lá dentro. Todos da mesa estavam irritados com a situação da mesa atolada no cantinho. Tinham outras mesas com reserva que estavam vazias até 14h… Ou seja… Não há tolerância de atraso, ou há conchavo/parceria com algumas empresas. O que eu particularmente acho péssimo para a imagem do estabelecimento. Tem que ser 15 minutos de tolerância e acabou. Não pode ter regra diferente para grupos diferentes de clientes. Péssimo!
    Acabaram nos mudando para uma mesa melhor lá pras 14h e a comida veio rápido, menos mal.
    Os pastéis de siri e de camarão estavam bons, assim como o bolinho de bacalhau. Meu prato principal também foi coco do surubim. O surubim estava delicioso, porém os acompanhamentos deixaram a desejar. A banana da terra e a batata barôa estavam um pouco duras para o meu gosto.
    Enfim, acabamos ganhando um desconto de 30% na conta por conta de toda a confusão. Mas acho que o gerenciamento do estabelecimento tem que melhorar muito. Nem considero retornar diante da experiência que tivemos.